sexta-feira, 16 de janeiro de 2009

E por falar em Eládio Dieste...

Igreja de Atlântida, Uruguay.

Na Obra de Dieste...

Na obra de Dieste não cabe o que não é indispensável. O valioso para ele reside no que existe, no que tem a seu alcance. Seu primeiro passo é saber que algo pode ser feito e como fazer: artífice do essencial, lhe incomoda que os projetos esqueçam as possibilidades de um país, porque as soluções se alcançam apesar do nível econômico de uma sociedade.

Na obra de Dieste não cabe o que não é indispensável. Sabe que seu caminho é um caminho iniciado a partir do técnico e industrial, mas está convencido de que oferece novas vias. As formas não são resultado de uma preocupação artística e sim derivam tanto do comportamento dos materiais como de sua eficácia estrutural.

Na obra de Dieste não cabe o que não é indispensável, e indispensável para ele é uma fé cega no ser humano (como transmite em todas suas conferências). Trabalhar mais perto de nossa realidade e aceitar com discrição as soluções que outros lançaram, este é seu ensinamento.

Antônio Jiménez Torrecillas
Granada, 1996
Traduzido por Flip


O jovem aprendiz e o grande arquiteto uruguaio.

2 comentários:

Carol disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Carol disse...

Olá... sou aluna do 2º de arquitetura e urbanismo, pela universidade estadual de Londrina-Uel.
Estou desenvolvendo uma pesquisa sobre essa obra do Eládio Dieste, Igreja de Atlantida, Uruguay. Esse trabalho consiste em uma analise mais estrutural da obra,os sistemas estrutrais, ( superficie ativa),se voce tiver qualquer informação dessa obra eu puder me enviar, agradeceria muito. :)

meu e-mail: caro_lineee@yahoo.com.br